demência

9 dicas para cuidar de idosos com demência

A população idosa vem crescendo exponencialmente nas últimas décadas, principalmente pelo aumento da expectativa de vida em parte dos países do mundo, devido a avanços na medicina e melhores práticas e hábitos cotidianos que resultam em melhor qualidade de vida.

Estima-se que, atualmente, a terceira idade corresponda a aproximadamente 10% da população mundial, com previsão de se chegar a 22% no ano de 2050. Porém, a Organização Mundial de Saúde estima cerca de 47.5 milhões de pessoas com demência, no mundo, número que pode quase triplicar em 2050, para os 135.5 milhões.

Paralelamente ao aumento da expectativa de vida, houve também aumento proporcional de casos de doenças degenerativas do sistema nervoso, em especial o mal de Alzheimer, que desencadeia a demência.

Demência é uma condição em que ocorre perda da função cerebral. É um conjunto de sintomas que afetam diretamente a qualidade de vida das pessoas. Idosos portadores de doenças que causam demência sofrem severas falhas no funcionamento cerebral, como perda de memória, dificuldade para executar atividades cotidianas (dirigir, falar ou comer), alterações no comportamento (irritabilidade e agressividade), dentre outros sintomas.

Dicas para cuidar de idosos com demência

Diante do crescente número de idosos acometidos pela demência, é essencial saber como cuidar adequadamente dessas pessoas. Abaixo listam-se 10 dicas que ajudarão nessa tarefa.

1. Direitos garantidos em lei

Através da Portaria 703, assinada pelo Ministro da Saúde, em 12 de abril de 2002, idosos portadores de Alzheimer têm direito a atendimento completo e visita domiciliar por profissionais de saúde da rede pública, bem como medicação.

Outro benefício é a isenção de declaração de imposto de renda, garantida em lei pela Instrução Normativa 15/01, da Secretaria da Receita Federal.

2. Cuidados com a alimentação

Indivíduos com Alzheimer não apresentam alterações significativas na dieta, podendo se alimentar como antes da descoberta da doença. Uma boa nutrição, inclusive, é muito importante para a manutenção da saúde geral e para o funcionamento cerebral.

Caso o indivíduo se esqueça de se alimentar nos horários corretos, deve haver uma pessoa para acompanhá-lo durante as refeições. Monitoramento à distância, com ligações telefônicas para verificar se o idoso se alimentou, não é eficiente nesses casos.

3. Segurança no lar do idoso

Antes aparentemente seguro, a demência torna o lar um local de muitos riscos para os idosos. Aqueles que moram sozinhos podem causar acidentes em decorrência de esquecimento ou desatenção, como deixar uma panela no fogão aceso, torneiras abertas e há possibilidade de quedas, principalmente de escadas altas.

Deve-se reforçar a segurança e, se possível, deslocar uma pessoa para morar com o idoso.

4. Paciência

Tornar-se um cuidador de um idoso com Alzheimer implica renunciar a liberdade e traz grandes responsabilidades. A boa convivência entre o cuidador e o idoso doente promove benefícios para ambos.

Estresse e sentimentos ruins podem piorar o quadro do idoso e também podem causar sentimento de culpa. O apoio dos familiares, a união e amor são importantes nesses momentos.

5. Rotinas

À medida que a doença se agrava, o indivíduo se torna cada vez mais inseguro e dependente. Qualquer sinal que fuja da rotina pode causar confusão mental. Portanto, é muito importante criar rotinas e tarefas em horários fixos diariamente.

Além disso, é primordial fazer as tarefas com o idoso, e não por ele, para que a independência seja mantida, na medida do possível.

6. Sinais na pele

Lesões podem surgir com mais facilidade na pele de idosos. Devido à demência, ele pode não perceber que está machucado, mesmo que o ferimento seja grave.

Preste atenção a sinais novos no corpo do idosos. Caso se trate de pessoa acamada, sempre busque mudá-lo de posição. Movimente-o, no mínimo, a cada duas horas.

7. Insônia

O portador de Alzheimer geralmente tem problemas para dormir, pois inverte o dia e a noite, desgastando o cuidador. É essencial que o ciclo de sono de ambos seja sincronizado, a fim de evitar esgotamento.

8. Situações de alucinação

Nas fases mais avançadas da doença, alucinações passam a ser mais frequentes. Diante delas, é preciso passar segurança para o idoso. Havendo medo por parte dele, deve-se identificar se o fator causador está no ambiente. Informe ao médico sobre as alucinações, pois podem ser fruto de algum efeito de medicamento.

9. Casos de agressividade

Não é raro que os portadores de Alzheimer se tornem agressivos à medida que a demência avança. Raiva, agitação e agressividade podem gerar grande estresse no cuidador. Diante disso, tente distrair a pessoa, mostrando imagens ou filmes de que ela gosta e tente tornar o ambiente tranquilo e limpo, com poucos estímulos sonoros e visuais.

 

Quer saber mais? Estou sempre disponível para responder quaisquer dúvidas que vocês possam ter e ficarei muito feliz em interagir com todos sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como neurologista em Porto Alegre!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp