avc

Como reconhecer um AVC?

Acidente vascular cerebral ou AVC, popularmente chamado de derrame cerebral, se caracteriza como uma doença crônica não transmissível. É desencadeada pelo rompimento ou obstrução de vasos que levam oxigênio ao cérebro, provocando a paralisia da região cerebral e comprometimento das atividades elétricas do órgão.  

O Acidente Vascular Cerebral se divide em dois tipos, podendo ser hemorrágico ou isquêmico. A principal diferença entre eles é o fato originador da doença.

O AVC hemorrágico é o tipo mais perigoso, pois as chances de morte são bem maiores, apesar de representar apenas 15% dos casos. Ele causa o rompimento de um vaso cerebral, gerando hemorragia em algum ponto do sistema nervoso. Tal hemorragia pode acontecer tanto no interior do tecido cerebral (hemorrágico intraparenquimatoso) quanto na superfície cerebral, entre o cérebro e a meninge (hemorrágico subaracnóideo).

O AVC isquêmico se origina da obstrução de uma artéria que leva oxigênio ao cérebro, causando a morte de inúmeras células cerebrais.

Os sinais do AVC

O AVC é a doença que mais mata e mais causa invalidez permanente em todo o mundo. Atinge, na maioria dos casos, mais os homens do que as mulheres. As chances de sucesso na recuperação e no tratamento de possíveis sequelas estão intimamente ligadas à percepção dos sinais emitidos pelo corpo da vítima de AVC e ao rápido encaminhamento desta a um hospital.

Diante disso, se faz necessário que se saibam todos os sintomas que o AVC pode apresentar e como reconhecê-los o mais rápido possível. A seguir, listam-se todos eles:

  • dor de cabeça intensa de um ou de ambos os lados;
  • dormência;
  • fala arrastada e dificuldade de encontrar palavras;
  • perda de visão;
  • confusão;
  • instabilidade ao andar;
  • paralisia de um lado do corpo (que pode compreender braço, perna, boca torta/salivante ou pálpebras inferiores descaídas);

Após a identificação do AVC, alguns cuidados devem ser tomados para que a doença não deixe sequelas irreversíveis.

  • Não aguarde a dor passar: trata-se de um erro comum, cometido pela maioria  das pessoas. Geralmente opta-se por aguardar a dor passar para levar a vítima a um hospital, com a ideia de preservá-la. Contudo, isso pode se mostrar desastroso, pois medicamentos devem ser ministrados nas primeiras horas após o acidente vascular.
  • Nunca dê pílula de AAS (ácido acetilsalicílico) ou remédios para a pressão: caso haja suspeita de AVC, deve-se descartar a possibilidade de se medicar a vítima por conta própria. O AAS, por exemplo, pode piorar ainda mais o sangramento, em caso de AVC hemorrágico, uma vez que diminui a probabilidade de formação de coágulos, o que é popularmente conhecido como afinar o sangue.
  • Em caso de AVC não dirija sozinho: caso você tenha sofrido o acidente vascular e não haja ninguém que ajude de imediato, o ideal é chamar uma ambulância e seguir para um hospital que tenha estrutura para tratar, realizar exames e cirurgia, se necessário. Nunca dirija sozinho, pois isso pode causar acidentes de trânsito graves.

 

Quer saber mais? Estou sempre disponível para responder quaisquer dúvidas que vocês possam ter e ficarei muito feliz em interagir com todos sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como neurologista em Porto Alegre!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp